- Guarda em palavras tudo o que não consegue guardar em si.

" Querida imaginação, o que mais me agrada em ti é nunca perdoares."





quarta-feira, 23 de março de 2016

Dois anos e uns versos - O vento e a pedra.


Dois anos e uns versos - O vento e a pedra.

Fazem exatos dois anos que juntei as trouxas e parti
Fazem exatos dois anos que me atirei no mundo e te conheci
Fazem exatos dois anos que num lugar diferente me perdi
Fazem exatos dois anos que nenhum sol amanheceu sem ti

O antigo e a novidade em conflito
buscando a  verdade
Meu quarto, meu mundo
O mundo, teu quarto
Sacrifícios e ambições
loucuras e paixões
Tempestade e calmaria
Silêncio e sofrimento
felicidade com afeto
ousadia e exigência
vários fins e uns começos
rebeldia e uns tropeços
A gente caminha e acha a essência
mesmo que se atrase na inconsequência

A bela história do vento que se apaixonou pela pedra
Mas nem a pedra voa, nem o vento pára
o vento gira e arrasta a pedra
as vezes mais longe, as vezes mais perto
nunca se sabe pra que lado
é sempre bem incerto

A pedra não voa, mas também não muda
é segurança e solidez
O vento muda de lado, de intensidade
traz a tempestade e bane a rigidez
quebra as barreiras, quebra dificuldade
não há incertos contra sua vontade.

O vento não precisa da pedra
nem a pedra precisa do vento
mas juntos são invencíveis
contra qualquer intempérie do tempo
um ocupa a terra, o outro ocupa o ar
se ficar longe de água, nada vai nos separar.
Contra o sol e contra a lua a gente pode sem penar
mas se a pedra cair na agua, nem o vento pode lhe salvar.
pois o vento passa sobre o fogo, onde a pedra também se safa
por mais que vento e pedra não consigam um ao outro se ferir
Com a água nenhum dos dois consegue interferir.

E fazem 2 anos que a pedra conheceu o vento
E fazem dois anos que o vento conheceu a pedra
E fazem dois anos que a pedra e o vento se apaixonaram
E fazem dois anos que eles tentam se entender
O vento em fim entendeu que a pedra não voa,
E a pedra por fim entendeu que o vento não pára.
Viram que os dois podem tudo, menos com a água.
A pedra é o Iman, o vento o ponteiro, nessa bússola ousada
No caminho para o norte
A distância quando vem é passageira
basta paciência e sorte.
Porque apesar da diferente natureza
nosso amor é mais forte.

E onde acaba o conto da pedra e do vento?
Dois imortais na batalha com o tempo
Tem muitos anos para se descobrir
Muito tempo para se decidir
O bumerangue do nosso destino
É força contra o desatino
A pedra ancora o barco
O vento faz ele andar
só deixar de agonia
Para não afundar.

A pedra tem paciência
O vento tem atitude
A pedra tem experiência
O vento tem juventude
Um acumula
O outro se renova

E nessa história
passível de derrota
só depende da perseverança
Nossa vitória.

Seja perto ou longe
Seja grande ou pequeno
Só não desistir
Nada pode nos atingir.

Nosso sucesso ou fracasso
Nossa paz ou nosso conflito
Nossa magia ou brincadeira
Nossos sonhos ou desejos
São nossos, e só nossos.

E além disso nada mais importa.
Não tem outra chave pra essa porta
Dois anos ou dez,
o que a gente achou não se perde
Se a gente não quiser
E só depende da gente
A força pra seguir em frente
independente da situação
O que vale é saber que la na frente
Só vai ter vc pra segurar a minha mão.

















quinta-feira, 31 de julho de 2014

E tem dias que eu acordo ainda te amando, uma carta.


Uma carta, acho que é assim que se comunica determinadas coisas.
Essa carta é pra você do passado e para você do futuro, ambas a mesma só que diferentes. 

Eu com esses poucos anos, duas décadas e meia, um quarto de século, aprendi algumas coisas e fiz questão de esquecer outras.
Uma coisa primordial é que se a gente não batalha pelo o que é nosso, alguém batalhará. Se a gente desiste, outro irá triunfar.

Errar faz parte, mas usar o erro de escudo é assinar a própria condenação. Quem sofre mais? aquele que não se sente digno de batalha e perseverança ou aquele que desistiu do impossível? 

Muitas coisas deixam saudade. Outras deixam cicatrizes. Outras a gente esquece para continuar vivendo. 

Ai a gente percebe o quanto faltou, e no que se deixou levar.

Valeu o que se perdeu.
nada é permanente só a mudança.

E naqueles dias que eu ainda acordo te amando....
Bom... esses dias eu guardo pois não sei o quanto ainda vão durar.


até o futuro, jovem passado.

sábado, 26 de julho de 2014

O tempo e o momento.


Tempo é o que quantifica a deslocação no espaço. Tudo se desloca, os corpos, os sentimentos, as idéias....
Momento é aquela idéia onde conseguimos explicar aquilo de antes, o de depois e o agora.
O agora é o que? Esse dia? esse mês? esse ano? essa hora? esse minuto? esse segundo?
Vivemos em que momento se o presente no mesmo instante que é presente já vira passado?

Memória é onde a gente guarda o passado. Lembranças que por mais felizes que sejam nos trazem certa tristeza, pois não existe mais, só em memória e é impossível reviver aquela lembrança.

Eu lembro de quando era diferente. Eu lembro de quando não tinha medo. Eu lembro quando tudo que eu precisava pensar era em mim e no nada. Destemido, sim meu passado ou no meu passado eu era destemido. E agora?

Existem lembranças que necessitam de perdão. Da gente para com a gente mesmo, da gente para com os outros, e o perdão é uma virtude que a gente exercita em cima do passado. Ou a gente ignora e vira rancor. Rancor também é um atributo apenas referente ao passado. Quais seriam os atributos do futuro?

Sonhos? talvez, sonho como qualidade de imaginar um futuro diferente, é um atributo do futuro.
O que seria um futuro diferente? eu posso preve-lo então para faze-lo diferente?

E o medo? Seria ele um vício do passado que muitas vezes é uma virtude para um possível futuro no presente?

Sei que as vezes a gente abre mão muito rápido, e isso só faz de nós indignos de nossos desejos e vontades. A perfeição não existe mas algo próximo a ela é possível com perseverança, paciência e generosidade.

Enquanto você só for capaz de olhar para você, de fato sua cruz será mais pesadas que todas as outras, pois as outras você não é capaz de enxergar.

No pain, no gain. Independente do tempo ou do momento.


domingo, 9 de fevereiro de 2014

Caminhos e Desvios

eu sabia que ia ser assim
saudade demais e ninguém pra rir
tudo pra trás e um podium pra subir

eu sabia que ia ser assim
raiva demais e nenhuma causa pra lutar
muitas mulheres e ninguém pra amar

eu sabia, sempre soube
eu fiz o que me coube
escolhi o fim lá no começo
toda fortuna tem seu preço

quem alcança sabe
solidão demais e muito sacrifício
amigos de lado e muitos inimigos

quem cumpre a pena?
quem aguenta o peso?
quem sente pena?

eu olho para o mundo e me pergunto
se todos os erros e desvios
toda a sede, toda vontade
toda ira, toda vaidade
todo sucesso, cada passo
cada gosto de fracasso
valem o meu sangue.

eu sabia, sempre soube
eu fiz o que me coube
escolhi o fim lá no começo
toda fortuna tem seu preço

eu sabia que ia ser assim
esquecido por todos lembrados por mim
eu sabia que ia ser assim
sozinho sentado em um trono de marfim
eu sabia, sempre soube
ignorei a voz que todo mundo ouve
eu sabia, sempre soube
eu fiz o que me coube.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Trezentas antes dos trinta. Um manual para quem continua nos dezesseis.




Esse negocio de papo de homem tava enjoando já e ninguém aguenta o moralismo dos casais sem vergonha.
O mundo sempre foi sobre foder. As vezes mais explicito as vezes escrachado mesmo. E o negócio é esse mesmo: pintos, bocetas e cus interagindo. Isso não é pra ser um guia de escrotice, tampouco uma filipeta evangélica escrita por pastores pedófilos. Aqui a gente vai falar de sacanagem boa, gostosa e pesada. Pra quem curte ou pra quem gostaria de experimentar uma doce vida de prazeres sexuais sem limites e sem clichês como sexo, drogas e rock n roll. Afinal pessoas usuais também trepam, gozam e adoram uma aventura aos labirintos e infinitas possibilidades do prazer.

As ladys que me desculpem, mas esse livro é para os punheteiros de plantão sairem do marasmo. Todo homem sonha em transar com dezenas ou centenas de mulheres e nem sempre com só uma de cada vez. E isso não é canalhice ou sei lá que padrão moral você carrega. Isso, essa vontade, essa busca, essa obsessão é um grande elogio a beleza e aos mistérios femininos. Cada mulher é um universo. Único. E estuda-lo você deve jovem padawan, e tal sabedoria não vem através de filmes e videos pornôs gratis, ou pagos, ou manuais de conquista ou frascos de feromônio e toda essa pataquada que te vendem por ai, tipo aumente seu pinto. A menos que vc tenha menos de 10 cm e uma circunferência tão fina quanto um dedo da sua mão... ai vc precisa de ajuda brother. Te vira. Tenho amigos que dizem ter conseguido aumentar o tamanho, mas na real? Tamanho importa não. Ok importa. mas não é o fator decisivo. Performance, criatividade, e sobretudo conhecer bem o corpo feminino fazem toda a diferença. E em camadas mais densas e profundas paixão, amor e até mesmo metafísica fazem diferença. Mas essas variantes a gente não controla, né?

Trocando o assunto de pau pra cacete, tudo isso não vem ao caso agora. A questão aqui é como você deixa de ser um moleque punheteiro e se transforma num homem ou algo próximo disso. E ai o que você vai fazer com seus poderes Jedi é problema seu. Combinado?

-

Se eu fosse escrever um livro com essa temática acho que a introdução seria assim.
Que entre na lista dos projetos que eu não comecei e nunca vou terminar.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Inacabado


Tantos assuntos inacabados
Tantos outros inapropriados
Tantos olhares silenciados
Tanta solidao no teu olhar

Muita coisa ainda guardada
Tantas outras reviradas
A verdade se exala 
No perfume do teu calor

Me trata como amigo
Me conquista com teu sibilo
Leva embora esse castigo
Meu erro , meu medo , meu motivo

Deixa deixar de ser
Deixa deixar de sofrer
Sorrir , brincar , se perder..
Oi vc, bom dia!
Te amo
Desde  quando nem te conhecia.

E continuei mesmo depois
Depois que o café esfriou
Que o mundo nao se acabou
Que a surpresa se revelou
Depois...
Depois  que tudo mudou
Depois que minha dor cessou
Depois que com teu beijo
Meu coraçao nunca mais sonhou.

E assim a vida continua
Com o peso da verdade
Que entra na alma e a tortura
Onde o desejo se insinua
Esconde tua alma semi nua
No mausoleu da minha inspiraçao

Onde esta guardado , silenciado e acorrentado todo meu amor por vc. 

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Adeus você.

Adeus, dessa vez é pra sempre mesmo.



Não tenho como te oferecer o que vc espera. Pra mim é pouco e essa falta na oferta está me matando.
É sempre um prazer enorme ter a sua companhia. Eu amo nossas conversas. Somos intelectos gêmeos e complementares. Eu te mostrei minha essência. meu comprometimento e meus sonhos. No defeito e na virtude. Não foi suficiente. E assim como vc o morno pra mim não funciona. Não tenho como ser o que vc quer de mim, então doravante não conseguirei cumprir minha promessa a vc. E para minimizar os danos e situações desconfortáveis, escolho o retiro. Foi um prazer. Tudo. Sobretudo esse ultimo tempo. Esse ultimo respiro do nosso encontro aleatório neste caos de infinitas possibilidades chamado universo. Não vou mentir pra mim e pra vc e dizer que esta tudo bem. Não está.
Toda minha vontade, todo meu desejo, e todo meu interesse é muito forte. E esconde-lo em mim na sua presença está acabando comigo. Eu fico inerte, sem graça, sem palavras, sem ação... pois toda a verdade do meu íntimo está suprimida nesse acordo que selamos.

Eu deveria ter te perguntando, mas achei que não era necessário. Sua atitude já deixou bem claro um "nunca mais" explicito numa estratégia passiva-evasiva.

Não consigo ser teu amigo.

Com a gente tudo é assim, né? intenso, exagerado, extremado, radical..... parece até amor.

Adeus.